segunda-feira, 1 de junho de 2009

Ser ou não Ser, eis a questão


Ser livre, transparente, real, autêntico exige muita coragem de nós

A mulher, nesse contexto é ainda mais visada.

Se tem posses, é bonita, elegante, “de família”, bem ou mal casada, não importa, é aceita e respeitada em qualquer esfera.

Pode ser a mais desvirtuada, que será sempre uma “dama”.

Ao contrário das mulheres menos favorecidas, sem uma “referência”, consideradas feias, que por mais corretas que sejam, por mais pudicas que sejam, basta um olhar em falso para serem rotuladas de liberadas, biscates, galinhas, putas.

Para a mulher ser biscate, mal vista, rotulada de tudo que a denigra, não precisa ser leviana não. Basta ser separada, divorciada, solteira, sozinha. Ser pobre, feia, sem instrução. E se for negra então, mais rotulada ainda. Pior quando ela tem todos esses adjetivos e ainda por cima cometeu o "pecado" de ser bonita... ai sim, coitada, falta-lhe adjetivos despreciosos.

Sendo livre, tendo muitos amigos, ser freqüentadora de baladas, barzinhos, boates, bailões, com certeza, é uma biscate da vida.

Não se preocupam de conhecê-la antes de julgá-la.

Ao passo que aquela fulana, que trás na sua “genética” um sobrenome de peso, um status, muitas vezes só aparente, será uma mulher liberal, inteligente, respeitada. Um exemplo de mulher.

Por mais biscate que seja, jamais será apontada como tal.

Para a mulher sozinha, separada, divorciada, solteira não faltam olhos, para medi-la de cima a abaixo.

Não faltam línguas para comentários e calúnias.

Não faltam dedos para apontá-las, onde quer que estejam.

Cada passo seu é vigiado, cada atitude comentada, cada gesto deturpado.

Onde quer que vá, tem sempre uma legião de mal amados cuidando de sua vida.

Os homens esperando por uma chance, querendo sempre o óbvio.

As outras mulheres a difamando, por pura inveja, por se sentirem ameaçadas e, muitas vezes, com o objetivo único de afastá-las do seu meio.

Se foi abandonada pelo companheiro, essa mulher passa a ser vista, por todos, como uma coitada.

E sendo uma coitada, é uma mal amada. Portanto está deprimida, carente, magoada.

Agora é um alvo em potencial para aqueles idiotas que a consideram uma mulher frágil e que necessitam, mais do que nunca, de alguém que cuide delas.

Se a separação partiu dela, ela é muito dona de si, muito independente, muito liberada.

Um perigo para aquelas mulheres que se dizem tal, só que muito covardes para tanto.

Daí elas passam a ser alvo de suas fofocas, de calúnias e difamação.

Os homens, por sua vez, as consideram liberais demais. E já que elas são liberais, porque não tentar tirar uma casquinha também?

Eles sabem que não passará disso. E mesmo sabendo que elas são demais para o caminhãozinho deles, partem para cima, afinal não custa nada, não é mesmo? E fazem fila.

Muitas mulheres que conheço mantém um casamento de fachada.

Traem seus parceiros descaradamente. Muitas vezes com mais de um amante. E mantém o casamento para não perderem o seu trono de eternas damas, para não perder seu status, sua segurança.

Se prostituem, no verdadeiro sentido da palavra, se vendendo aos seus maridos e se entregando aos demais, por pura conveniência.

E os maridos se fazem de mortos. É melhor ter uma esposa ao seu lado, mesmo sendo mal amados, para se exibir para os outros e manter seu casamento, do que aceitar que são uns chifrudos, e terem que tomar uma atitude.

É aquela velha história: - eu sei, você sabe, mas fiquemos por aqui mesmo, que assim será melhor para todos nós. O que os olhos não vêem o coração não sente mesmo!...

Deixe que falem, afinal quem fala é porque sente inveja dele, por ele ter aquele mulherão ao seu lado. É o tal do corno manso.

Pior, é que são essas mesmas mulheres, sem nenhuma índole, que fazem de tudo para denegrir a imagem das outras. Uma forma de dizer: - se eu falo isso dela é porque eu não sou igual, seria incapaz de fazer algo igual ou parecido.

Ledo engano. Se esquecem que só falamos do que conhecemos. E se falam é porque se reconhecem nesse contexto.

A mulher liberal é muito confundida com a mulher livre.

As pessoas preferem criar rótulos que as denigrem.

Ser liberal é ser autêntica, ser íntegra, ser natural, ser sincera, verdadeira, ser dona de si. É ser corajosa de assumir a si e aos outros como realmente são.

É saber o que realmente quer da vida e saber descartar com elegância o que não quer.

É ser conhecedora do seu potencial e saber se valorizar.

É tomar as rédeas de sua vida, sem preconceitos, sem hipocrisia.

É saber viver com sabedoria, respeitando os outros e acima de tudo a si mesma.

Ser livre é ser independente literalmente.

É aceitar-se como tal.

É ter coragem de assumir riscos. Não temer a vida nem tampouco tremer diante dela.

É gostar de viver intensamente e buscar a felicidade, custe o que custar, doa a quem doer.

É não ter limites para sonhar.

É entrar de cabeça em tudo que faz.

É nunca desistir de si mesma.

Portanto, nem uma nem outra coisa as diminui como mulher.

O que faz das mulheres motivos de vergonha e de desrespeito é a falsa idéia de santidade e moralidade que muitas pregam e, despudoradamente representam durante uma vida toda.

São suas atitudes de falsidade, de mal caratismo, de desrespeito ao seu próximo, à sua família e as outras mulheres.

São as armas que usam para se protegerem, debaixo do seu telhado de vidro, enquanto atiram pedras no telhado alheio.

Ser livre, liberal ou liberada, como assim quiserem entender, só faz da mulher um ser humano mais digno, em toda sua essência.

Difícil não é viver num mundo de hipocrisia.

Difícil é SER....

3 comentários:

rose disse...

Minha maninha, mandou muito bem, falou a mais pura verdade!!!
Por isso q amo vc, fala o q pensa, o q vê e sabe se expressar.
Bjs mana

Sandra Botelho disse...

o pior de tudo isso, é que somos nós mulheres que criamos rotulos que poderão ser usados contra nós mesmas... Somos o sexo desunido, o sexo invejoso.estamos sempre destilando um veneninho contra outras... Ela é linda mas...Ela é inteligente mas...Ela é bem sucedida, mas...Porque não deixamos de lado esse mas maldoso. essa maldadezinha entredentes que tanto usamos, somos todas mulheres, todas com as mesma dores, lutas e preconceitos, Não seria melhor se fossemos mais unidas.Isso eu invejo nos homens.
belo texto mana. bjos

laisa disse...

nossa lindaaa vc disse tudooo
aiaia issa minha didaa
o que mais me impressiona e me faz te admirar cada dia mais eh a sua sinceridade,coragem e acima de tudo essa força e virtude de ser que tu és.. saiba que te admiro mto e fico mto feliz d ter vc na minha vc é especial, unica eh invejávell..
amo-te
saudadess